fbpx

Lost Driver 2.0: Analisando Pranchas

Lost Driver 2.0 capa

Lost Driver 2.0: Analisando Pranchas

Você pode estar se perguntando: por que um modelo relativamente novo como a Lost Driver 2.0 está sendo alvo do Analisando Pranchas?

Pois bem, certamente é porque esta prancha já nasceu com o DNA da alta performance, vencendo campeonatos importantes mesmo antes do seu lançamento oficial. O desempenho impressionante do brasileiro Yago Dora no US Open de 2019 foi o cartão de visitas da Driver 2.0 para o mundo.

Yago Dora + Driver 2.0 = Vitória no US Open Of Surfing 2019

Constante Evolução

A Driver 2.0 é resultado de uma evolução contínua do modelo de alta performance mais aprovado e popular da Lost, a Driver. Projetada através de experimentação constante e feedbacks diretos dos atletas da marca, ela sofreu um aprimoramento contínuo. Foram dois anos de testes rigorosos feitos com surfistas do calibre de Kolohe Andino, Griffin Colapinto, Carissa Moore e Caroline Marks por exemplo.

Certamente, este modelo é um reflexo direto do que esta equipe de habilidosos profissionais incentivou o shaper Matt Biolos e sua equipe a criar. A busca incansável pela evolução é fruto das cada vez mais exigentes demandas do surf competitivo. Assim como os atletas estão sempre procurando evoluir sua parte física, técnica e mental, seus equipamentos devem seguir na mesma toada, para não ficarem ultrapassados.

Nos últimos três anos, desde a última atualização do modelo Driver (no início de 2017), o aprimoramento constante deste modelo foi quase mensal. De fato, ajustes finos foram feitos com o acompanhamento de Griffin e Kolohe. Literalmente centenas de Drivers foram feitas neste período, algumas com alterações imperceptíveis para os não profissionais. Entretanto, no final de tudo, a boa notícia é que essa evolução do modelo também beneficiou o surfista amador, visto que ela é uma prancha excelente para os intermediários também.

As Atualizações

Contando com um rocker de entrada mais sutil que na versão anterior, a Driver 2.0 gera bastante velocidade logo após o drop. Seu rocker leve e contínuo no meio da prancha facilita na conexão das seções e mantém a velocidade durante as curvas longas, tanto na base quanto no topo das ondas.

Ela apresenta também um outline de bico mais largo, especialmente nas 18 polegadas superiores da prancha. De fato isso oferece maior drive e velocidade no pé da frente do surfista, fazendo a prancha acelerar muito quando precisa passar seções rápidas das ondas e também durante as manobras de borda. Outra vantagem do bico mais largo é que ele facilita a volta de manobras reverses, como aéreos e rabetadas.

A espessura é outro atributo que foi modificado na Driver 2.0. Ela é mais espessa no centro, principalmente ao redor da longarina, o que fornece excelente poder de remada. Dessa forma, esta prancha tem bastante dome deck, que nada mais é do que a inclinação do deck, do meio para as bordas.

lost driver 2.0

Outline E Bordas 

No geral, as dimensões e o volume aumentaram um pouco em relação aos anos anteriores, permitindo aos profissionais de ponta mais dinamismo e fluidez. Para os amadores, ela é uma prancha um tanto solta, que o ajudará a atingir um próximo nível de surf, permitindo manobras com maior grau de dificuldade e consequentemente a evolução que você tanto procura.

Falando em bordas, neste modelo elas são baixas, com um contorno levemente arredondado, o que deixa a prancha bastante responsiva e permite manobras com muito drive na parede das ondas. Seguindo em direção à rabeta, as bordas mais finas e quadradas permitem uma reação rápida para a troca de bordas, do calcanhar para a ponta dos pés e vice-versa (heels to toes), sem perder o drive e a segurança.

Rocker E Concave

O rocker de saída da Driver 2.0 é mais acentuado. Inegavelmente este atributo deixa a prancha ainda mais manobrável e responsiva, entregando um manobrabilidade incrível, principalmente nas partes críticas das ondas. Combinado ao rocker alto de rabeta, este modelo conta com um single concave debaixo do pé da frente, passando para um double concave profundo entre as quilhas, fornecendo muita sustentação na parte do pé traseiro. O resultado desta combinação é alta velocidade, arcos de raio curto e surf vertical na parte crítica da onda.

Vencedora Stab In The Dark – All Stars

lost driver 2.0

A mais recente edição do quadro Stab In The Dark, da revista australiana Stab, trouxe três dos quatro pilotos de teste das edições anteriores. Dane Reynolds, Jordy Smith e Mick Fanning foram os responsáveis por testar as pranchas na quinta edição, chamada de All Stars. Infelizmente Julian Wilson não estava disponível e acabou ficando de fora.

O maior desafio para realizar esta edição foi conseguir adequar os calendários dos três atletas para poderem estar juntos por uma semana a fim de testar as seis pranchas participantes e gravar o programa. Quando finalmente conseguiram reunir-se na África do Sul, depois de algum atraso na chegada das pranchas, todos puderam testá-las em excelentes ondas e, como esperado, não houve unanimidade, tendo sido escolhidas duas pranchas entre as três participantes.

Cada surfista testou seis pranchas. Das seis, eles escolheram as três melhores. A pontuação foi assim: primeiro lugar = três pontos, segundo = dois pontos e terceiro = um ponto. Ao final, a prancha vencedora, tendo sido escolhida por Mick e Dane, foi a recém lançada Driver 2.0 da Lost. Já a escolhida por Jordy foi a prancha enviada pelo shaper australiano JS. Na soma dos pontos, a grande vencedora foi mesmo a Lost Driver 2.0, shapeada por Matt Biolos. Isso só mostra mais uma vez que a este modelo já nasceu grande, daqueles que irão se perpetuar nos quivers dos surfistas mundo afora.

Quilhas

Lost Driver 2.0 quilhas

Esta é uma prancha que funciona muito bem com uma gama enorme de tipos de quilhas. Recomendamos que utilize os modelos que está habituado a usar em sua prancha de alta performance. De qualquer forma, acreditamos que modelos versáteis que funcionam bem na maioria dos tipos de ondas são os mais recomendados nesse caso. Se você usa FCS2, indicamos os modelos Julian Wilson e Performer. Caso você seja adepto do sistema da Futures, indicamos a Mayhem e a John John Techflex.

Sensações

Quando perguntado como o shaper Matt Biolos rotularia esta prancha, ele foi categórico e disse: “eu colocaria esta prancha como a mais moderna prancha de alta performance atualmente”. Para complementar, Matt explica como ele acredita que este modelo pode ser ótimo para os surfistas amadores.

Nas palavras dele, a Driver 2.0 é uma prancha muito fácil de ser surfada se comparada a outros modelos de alta performance do mercado. Segundo ele, ela flui muito bem, gera velocidade sozinha e é fácil de virar. Além disso, tem sustentação suficiente para o surf do dia a dia. Foi pensando nos surfistas amadores que a Lost disponibilizou duas tabelas de medidas deste modelo. Uma delas é baseada nos profissionais, que eles chamam de PROS, com medidas menores, carregando um pouco menos de volume. A outra é para os amadores, que eles chamam de BROS, com medidas um pouco avantajadas, consequentemente com mais volume, permitindo que os surfistas não tão habilidosos a utilizem com conforto.

Se você quiser saber mais sobre este modelo e também sobre as medidas exatas para o seu perfil de surfista, não hesite em chamar nossos consultores no chat, eles poderão esclarecer tudo que você quiser saber e poderão encomendar sua Driver 2.0 nas dimensões perfeitas que o seu surf necessita. Aproveite nossas pranchas em estoque e garanta já a sua, restam poucas unidades.

 

 

Deixe uma resposta