fbpx

O Surf Profissional Nas Olimpíadas

Surf Profissional Nas Olimpíadas

O Surf Profissional Nas Olimpíadas

Antes de mais nada, o surf profissional nas olimpíadas é um assunto que vem sendo debatido há algumas décadas, sempre com muitas polêmicas sobre se deve ou não fazer parte dos Jogos. 

Puristas x Modernistas

Os chamados puristas do esporte geralmente demonstram antipatia pela ideia, em contrapartida, os mais modernos abraçam e apoiam a inclusão do surf. Antes de tudo, todos os esportes olímpicos estão ancorados em equidade e igualdade de condições, contudo, o oceano não oferece isso. Certamente, a única maneira de oferecer isso no surf seria realizado as competições em piscinas de ondas. 

Surf Na Piscina Pode Ser Considerado Surf? 

Aliás, e se as competições forem mesmo realizadas em piscinas de ondas, podemos considerar surf ainda assim? Hoje em dia, sobretudo com o evento do Surf Ranch fazendo parte da Liga Mundial de Surf (WSL), a aceitação parece ser maior, apesar das inúmeras críticas ao evento. Por certo, há diversos jornalistas e surfistas com pensamentos mais tradicionais não gostam nem um pouco da ideia de haver competições profissionais em ondas artificiais. 

Novos Esportes Olímpicos

Só para ilustrar, o número de esportes nos Jogos Olímpicos cresceu de nove, nos primeiros Jogos Olímpicos de 1896, para vinte e oito nos últimos jogos, no Rio de Janeiro em 2016. Surpreendentemente, nos jogos deste ano no Japão teremos a estreia de cinco modalidades, sendo elas: beisebol (e o softbol) karatê, escalada esportiva, skate e claro, o surf. 

Inegavelmente os esportes entram e saem de moda em todo o mundo ao longo do tempo e, para continuar sendo relevante para o mundo do esporte, os Jogos Olímpicos precisam se adaptar a essas mudanças. Sem dúvida, sempre há esportes à margem de serem selecionados para os Jogos, e aqueles que só ficam por serem parte tradicional dos Jogos.

Exigências do COI

Conforme exige o Comitê Olímpico Internacional, para ingressar no programa olímpico, um esporte precisa primeiro ser reconhecido: ele deve ser administrado por uma Federação Internacional que garante que as atividades do esporte sigam a Carta Olímpica. Igualmente, deve ser amplamente praticado em todo o mundo e atender a vários critérios estabelecidos pela sessão do COI, um esporte reconhecido poderá ser adicionado ao programa olímpico por recomendação da Comissão do Programa Olímpico do COI. 

Longo Caminho

Com o surf foi um longo caminho, visto que tudo começou no ano de 1992, quando o ex-líder da ISA (International Surfing Association) Jacques Hele, começou a fazer lobby para o surf no evento esportivo internacional e, nos últimos 20 anos, os surfistas perderam cinco lances olímpicos. Por fim, em Junho de 2015 a ISA anunciou que havia apresentado um pedido formal para incluir o surf nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Inegavelmente, o maior vencedor aqui é o argentino Fernando Aguerre, presidente da ISA, que luta pela inclusão do surf nos Jogos Olímpicos há duas décadas. Seus argumentos são válidos e compreensíveis:

“O surf é realmente um esporte global, mais popular e mais praticado do que muitos esportes olímpicos atuais. O surf é praticado em todos os cantos do mundo, em mais de cem países. Em consequência disso, agora existem mais de 35 milhões de surfistas em todo o mundo! Os surfistas são certamente uma influência forte e positiva sobre os jovens ao redor do planeta. Eles são uma parte muito relevante da nossa cultura jovem e servem como figuras inspiradoras, sobretudo representando naturalmente os valores olímpicos”, escreveu Aguerre.

Qualidade Das Ondas

De fato, agora que o surf finalmente chegou às Olimpíadas, o padrão das ondas nas quais as competições serão disputadas é absolutamente crítico. De tal forma que se o padrão de ondas for muito baixo, a primeira vez pode muito bem ser a última. Mesmo que se fale em realizar o evento na praia de Tsurigasaki, a qual geralmente oferece condições longe das ideais para a prática do surf, a questão da piscina de ondas ainda ronda os próximo Jogos. Em suma, o que ainda está em pauta é o fato de que há uma obra de uma piscina de ondas próxima à Tóquio, e que as competições poderiam sim serem realizadas em ondas artificiais. 

Paris 2024 Em Teahupoo

Por consequência dessas discussões, o comitê olímpico realizador dos Jogos de Paris em 2024 já se adiantou e confirmou que as competições de surf nas temidas e perfeitas ondas de Teahupoo, na Polinésia Francesa. Inegavelmente esta escolha já vem agradando muito aos surfistas, mesmo que, por razões óbvias, ainda não saibamos quem serão os participantes. 

Certamente, a intensidade e a emoção das competições que são realizadas por lá anualmente pela WSL credenciaram a famosa onda Taitiana a ser palco das disputas nos Jogos. De fato, é curioso pensar que a França tem altas ondas em sua costa sudoeste e estas não foram escolhidas. Praias das regiões de Hossegor e Anglet recebem competições internacionais anualmente. Entretanto, como as Olimpíadas acontecem no verão europeu, as chances de boas ondas diminuem bastante, o que não acontece na Polinésia nessa mesma época.

Com O Apoio de Aguerre e Kelly Slater

Primordialmente, Fernando Aguerre sempre apoiou as tecnologias de produção de ondas como um caminho natural para os Jogos Olímpicos. O chefe da ISA acredita que as piscinas de surf “proporcionarão oportunidades para a integração de diversas faixas socioeconômicas, étnicas, religiosas e etárias, principalmente depois que os Jogos tiverem prosseguido”. Outro que, obviamente, apoia essa ideia é o ícone do surf mundial Kelly Slater (onze vezes campeão mundial).

Algumas Opiniões Acerca Do Assunto

A saber, separamos algumas opiniões sobre o assunto antes de o surf ter sido confirmado nas Olimpíadas. Leia abaixo:

Sean Doherty, escritor sênior da Revista Surfer:

“Não, não e não. Primeiramente, todos os esportes olímpicos estão ancorados em equidade e igualdade de condições. Entretanto, o oceano não oferece isso. Certamente a única maneira de o surf ser considerado um esporte olímpico é se ele fosse realizado em piscinas de ondas, e se fosse realizado em piscinas de ondas, então eu não consideraria surfar. Ademais, o fato de não haver duas ondas iguais é o que faz surfar, surfar. De tal forma que não foi projetado para ser justo. O oceano não é justo e, a menos que você seja Kelly, o oceano não dá a mínima para você”

Gabriel Medina, campeão mundial de 2014:

“Sim, acho que o surf deve ser incluído e eu adoraria surfar nas Olimpíadas. Especialmente seria uma grande honra representar o meu país. Além disso, seria uma competição muito acirrada, com os brasileiros se unindo contra os outros países. E é claro que venceríamos. Haha! Em resumo, espero que isso aconteça”.

Damien Hobgood, surfista veterano do circuito mundial:

“Talvez isso possa parecer algo egoísta ou ruim, mas eu nunca gostei muito do surf nas Olimpíadas. Acima de tudo, eu adoro as Olimpíadas, contudo, por algum motivo, ver o surf como parte disso nunca foi algo sobre o qual me senti muito bem. Inegavelmente há muitos outros atletas por aí que sonham em surfar nas Olimpíadas, e acho isso ótimo. Entretanto, não é algo pelo qual sou particularmente apaixonado. Em suma, adoro a ideia de representar meu país. Mas sinto que faço isso de qualquer maneira nas competições em que participo”.

Linha Do Tempo Para Classificação Olímpica

Evento Data Local
2019 Pan American Games Julho 30 – Agosto 4, 2019 Lima
2019 World Surf League April 3 – December 20, 2019 Diversos
2019 ISA World Surfing Games Setembro 7–15, 2019 Miyazaki
2020 ISA World Surfing Games Maio 9–17, 2020 El Salvador
Realocação de vagas inutilizadas Junho 26, 2020

Atletas Classificados Até O Momento

Masculino

Evento Vagas Surfistas Classificados
2019 Pan American Games 1 Lucca Mesinas (PER)
2019 World Surf League 10 Julian Wilson (AUS)

Owen Wright (AUS)

Italo Ferreira (BRA)

Gabriel Medina (BRA)

Michel Bourez (FRA)

Jeremy Flores (FRA)

Kanoa Igarashi (JPN)

Jordy Smith (RSA)

Kolohe Andino (USA)

John John Florence (USA)

2020 ISA World Surfing Games 5 A definir em El Salvador
2019 ISA World Surfing Games – África 1 Ramzi Boukhiam (MAR)
2019 ISA World Surfing Games – Ásia 1 Shun Murakami (JPN)
2019 ISA World Surfing Games – Europa 1 Frederico Morais (POR)
2019 ISA World Surfing Games – Oceania 1 Billy Stairmand (NZL)
Total 20

 

Feminino

Evento Vagas Surfistas Classificadas
2019 Pan American Games 1 Daniella Rosas (PER)
2019 World Surf League 8 Sally Fitzgibbons (AUS)

Stephanie Gilmore (AUS)

Silvana Lima (BRA)

Tatiana Weston-Webb (BRA)

Brisa Hennessy (CRC)

Johanne Defay (FRA)

Caroline Marks (USA)

Carissa Moore (USA)

2020 ISA World Surfing Games 7 A definir em El Salvador
2019 ISA World Surfing Games – África 1 Bianca Buitendag (RSA)
2019 ISA World Surfing Games – Ásia 1 Shino Matsuda (JPN)
2019 ISA World Surfing Games – Europa 1 Anat Lelior (ISR)
2019 ISA World Surfing Games – Oceania 1 Ella Williams (NZL)
Total 20

Esperar Pra Ver

Certamente este assunto ainda dará muito o que falar. Antes de mais nada, estamos jogando com todos os aspectos diferentes para tratar sobre o mesmo tema: tecnologia versus natureza, tradição versus novo, esporte versus estilo de vida. Agora é esperar para ver!

Deixe uma resposta

Abrir conversa