fbpx

Cabianca The Medina: Analisando Pranchas

Cabianca The Medina: Analisando Pranchas –

Trazemos hoje em nossa coluna Analisando Pranchas o modelo Cabianca The Medina, fazendo a estreia das pranchas do shaper brasileiro Johnny Cabianca aqui no Blog do Prancha Nova.

Prancha Campeã

Uma relação de tanto sucesso não poderia passar batida por aqui, então decidimos analisar um dos principais modelos da Cabianca, a The Medina. Foi com esta prancha que Gabriel arrebentou as ondas de Snapper Rocks na primeira etapa do mundial em 2014. Medina foi campeão do evento de abertura do tour naquele ano, e o caminho até lá incluiu duas vitórias impressionantes sobre Taj Burrow na semi e Joel Parkinson na final. Inclusive, este título foi muito importante para iniciar a campanha do primeiro título mundial do surfista brasileiro.

A vitória em Snapper não foi a única desta prancha, que naquele evento era com uma rabeta swallow bem rasa. Medina venceu vários outros eventos com este modelo, inclusive os dois seguidos em 2018 e 2019 na piscina de ondas no Surf Ranch surfando com rabeta round. Confira abaixo imagens da vitória indiscutível do ano passado:

Versatilidade

Inicialmente, a The Medina foi pensada para ondas ruins. A ideia do shaper brasileiro era entregar uma prancha que fosse super fluida, veloz e responsiva em condições de mar longe das ideais. Acontece que além de ela performar conforme o planejado nesse tipo de mar, este modelo se mostrou também muito bom em ondas boas até os 5 pés.

Talvez você esteja se perguntando “mas claro, nos pés do Medina qualquer prancha anda bem em qualquer mar”. Realmente isso pode até ser verdade, entretanto Cabianca recebeu este feedback não só do Gabriel, mas também de surfistas amadores que adoraram a performance da prancha em todo tipo de mar entre 1 e 5 pés.

cabianca the medina

Por conta da satisfação geral com este modelo, o especialista californiano Noel Salas resolveu fazer ele próprio sua análise minuciosa. Noel pode até não ser conhecido a nível mundial como um grande surfista profissional, todavia ele é hoje a maior referência em análises de pranchas no mundo. Seu canal no Youtube tem mais de 25 mil inscritos do mundo todo, certamente ávidos surfistas ansiosos pelo próximo review. Inclusive, suas análises são frequentemente utilizadas pelas próprias marcas para detalhar as características dos seus modelos ao público.

review de Noel não podia ter sido mais positivo, pois ele considerou a The Medina como “a melhor prancha a nível de high performance que já usou”. Se quiser assistir à análise completa em vídeo (em inglês) clique aqui!

Outline E Bordas

cabianca the medina

Conforme mencionamos, a The Medina foi desenvolvida para ondas fracas e pequenas. Portanto, como na maioria das pranchas pensadas para essa condição de mar, seu outline é mais largo que o normal. Com mais área de bico, mais larga no meio e também na rabeta, esta prancha é super veloz e estável. Ela anda muito nas partes fracas das ondas e mantém a fluidez sem perder velocidade.

cabianca the medina

Suas bordas são mais cheias e arredondadas que a maioria das pranchas de alta performance, mesmo se comparadas às pranchas para ondas pequenas que já analisamos aqui como a Hot Knife e a 3DX por exemplo. Outra característica bem marcante da The Medina é seu deck. A parte de cima da prancha tem pouquíssimo dome deck, que é aquela caída da longarina para as bordas. O deck desta prancha é bastante plano e isso aumenta o volume e a flutuação, deixando a prancha um pouco mais flexível sob os pés.

Mais uma exclusividade desse modelo é o concave na parte de cima da rabeta swallow (super rasa por sinal). O propósito é deixar a rabeta ultra sensível e mais flexível também, entregando muita responsividade para a prancha.

cabianca medina

Concave

cabianca the medina

O concave da The Medina é bem simples. Começa perto do bico com um single concave suave. Este single vai se aprofundando conforme chega perto das quilhas, tendo sua parte mais funda antes das quilhas laterais. Conforme entra no meio das quilhas o single vai suavizando até que se torna um vee na altura da quilha central e assim corre até a saída da rabeta. Essa combinação faz com que a prancha seja super veloz e tenha ótima sustentação, mas também ofereça boa troca de bordas por causa do vee. Ele ajuda bastante as trocas de direções e favorece a maleabilidade.

Rocker

Como na maioria das pranchas para ondas pequenas, a The Medina tem rocker de entrada discreto, o qual podemos considerar como baixo/médio. Esta pouca curvatura frontal somada à área de bico mais larga oferece excelente poder de remada a este modelo. Seu rocker segue estagiado pelo meio da prancha, fazendo com que flua suavemente sem perder a velocidade nas partes mortas das ondas. O rocker de saída também é baixo/médio, permitindo que ela mantenha a velocidade e a projeção horizontal. Mesmo com esta característica de rocker de saída, a The Medina mantém boa projeção vertical, funcionando bem também em partes críticas e segurando bastante tempo nas curvas de borda sem perder a tração.

Quilhas

Por ser uma prancha super veloz por si só, recomendamos as quilhas que apresentam mais rake para ela. Quilhas mais alongadas oferecem mais drive, mais tração e mais controle. Prefira quilhas com bases mais largas e pontas mais finas, assim é possível pisar com força e ganhar velocidade nas curvas, mas também um pouco de soltura no final das manobras sem ficar preso.

Seguinte essas características, recomendamos os modelos AM2 tanto na FCS quanto na Futures, assim como o modelo Julian Wilson da FCS e a Jordy Smith da Futures.

Sensações

Como dissemos, a The Medina foi desenvolvida para ondas ruins, porém desde sua criação ela surpreendeu com ótima performance em ondas boas até 5 pés. Curiosamente, este modelo não sofreu nenhuma alteração desde a primeira vez que Gabriel Medina a provou. Este modelo serve a todos os níveis de surfistas a partir do iniciante/intermediário até o profissional.

Para os surfistas avançados é aconselhável diminuir o tamanho em até 2 polegadas em relação à sua prancha normal do dia a dia, com acréscimo de meia a uma polegada na largura; Assim, você tem uma prancha equilibrada para o dia a dia e que pode surpreender mesmo em dias clássicos. Se você curtiu conhecer mais sobre esse modelo do nosso bicampeão mundial, encaminhe esta análise para seus amigos que também deveriam conhecer melhor a The Medina. Sem mistério, é só entrar no mar e se divertir.

 

3 thoughts on “Cabianca The Medina: Analisando Pranchas

  1. Luiz Carlos indalencio says:

    Deus me deu mais uma chance de ser feliz cando comprei uma prancha Bianca de um amigo eu moro na praia e comessei a surfar com 10 anos de idade.hoje tenho 48 anos nunca parei de Surfar minha fissura são pranchas velozes que kebrao a linha das ondas rapidamente está nave Bianca tem tudo isto a diferença na velocidade e emprecionante aquele bico flecha com o fundo dela faz a entrada na onda ser muito mais rápida tenho fé de um dia vir outra dessa para mim para se destacar dentro da água com ela já tive mais de 100 pranchas mais igual está nunca

    • Luís Coruja says:

      Olá, Luiz Carlos. As pranchas Cabianca são excelentes, realmente. Seguimos à disposição para ajudá-lo a realizar seu sonho de ter uma nova prancha mágica da Cabianca. Abraço.

Deixe uma resposta